Blake Lively Brasil
setembro 19, 2017  Priscila No comments All I See Is You, Filmes, Vídeos

Ontem, finalmente, liberaram a sinopse oficial e o primeiro trailer de All I See Is You, novo filme da Blake, que tem a estreia marcada para o dia 27 de outubro nos EUA! Assista legendado abaixo:

Gina (Blake Lively) e o marido James (Jason Clarke) têm um casamento quase perfeito. Depois de ter ficado cega quando criança em um acidente de carro quase fatal que tirou a vida de seus pais, Gina depende de James para ser seus olhos – uma dependência que parece solidificar seu relacionamento apaixonado. Ela vê seu mundo em sua própria imaginação vívida com a ajuda das descrições de James. Apesar de sua deficiência, os dois desfrutam de uma existência colorida em Bangkok, Tailândia, onde James trabalha em seguros e Gina explora a vida em um país estrangeiro. Parece que a única dificuldade real que esse casal amoroso enfrenta é a dificuldade em conceber um filho, mas quando Gina tem a oportunidade de ter um transplante de córnea e recupera sua visão, sua vida e relacionamento são levantados. Gina agora vê o mundo com um novo senso de maravilha e independência que James encontra ameaçador. Só quando Gina de repente começa a perder a visão novamente, ela finalmente percebe a realidade perturbadora de seu casamento e suas vidas.

 

Na última sexta-feira, dia 21/04, Blake Lively participou do almoço anual ‘Power of Women’ da revista Variety, sobre o impacto das mulheres em Nova York.

Blake Lively foi reconhecida por seu trabalho com a Child Rescue Coalition, que rastreia pedófilos em todo o mundo.

Confira o discurso emocionante de Blake Lively, sobre pornografia infantil, legendado abaixo.

Como uma das homenageadas do Power of Women da Variety, Blake Lively participará de um almoço, na sexta-feira, em apoio à Child Rescue Coalition. Para a edição desta semana, a atriz falou sobre mulheres em Hollywood, época que filmava em Nova York para Gossip Girl, e o que ela procura em um papel.

Houve uma conversa nacional recentemente sobre a disparidade de gênero em Hollywood. Você experimentou isso?
Sim, eu senti isso. É difícil reclamar quando há mulheres que estão sendo traficadas sexualmente, mulheres sendo tratadas como objetos e produtos. Sim, é importante ter essa conversa, porque igualdade é igualdade. Sinto-me afortunada. É ainda muito longe do que deveria ser para as mulheres em 2017.

É importante lembrar que metade da audiência de compradores de ingressos são do sexo feminino. Você está interessado em fazer tentpoles?
Eu não olho para filmes pelo orçamento. Eu olho para filmes pelo personagem. O que era claro sobre “The Shallows”, era realmente de baixo orçamento. Foi um filme de $17 milhões e fizemos mais de $120 milhões em todo o mundo. É legal fazer isso com uma história sobre uma mulher. É prova de que as pessoas querem ver filmes sobre mulheres. Não tem de ser todos no estilo Nicholas Sparks. Quando você olha para a franquia “Star Wars” de agora versus a franquia “Star Wars” de antes, há mulheres no centro.

Você acha que poderia haver uma sequência de “The Shallows”?
Eu não sei se aconteceria. Espero que não; Eu não estou pronta para trabalhar assim novamente. Eu estou prestes a fazer um filme em alguns meses onde eu serei uma mulher que é uma lutadora.

Você começou o boxe?
Eu ainda não cheguei lá. Estou ficando forte.

O que atrai você em um roteiro?
Procuro mulheres interessantes. Pode ser uma mulher em cada quadro do filme ou poderia ser uma mulher que está em uma cena, mas procuro personagens com quem me conecto. Ter uma família e ter trabalhado em uma série de seis anos, realmente me fez querer fazer o trabalho que eu amo. E isso leva a um maior sucesso, o que significa apenas mais oportunidades para fazer isso novamente.

Você gostaria de dirigir?
Estou realmente atraída por isso. Acho que faria isso mais tarde na vida. São dois anos e ele se torna seu bebê. Enquanto minhas filhas são jovens, eu não gostaria de fazer isso.

A Netflix tem reiniciado programas de TV antigos. Você acha que eles poderiam fazer uma reunião de “Gossip Girl”?
Eu não sei. Por que não?

Você faria uma versão adulta com o elenco?
Isso depende. Eu faria sete anos de uma série? Não, porque é trabalho duro e eu tenho meus bebês, e eu não quero ficar longe delas tanto assim. Mas eu aprendi na vida que você nunca diz nunca. Eu estou procurando fazer algo que eu não tenha feito ainda, não algo que eu fiz. Mas eu faria isso? Quem sabe – se fosse bom, se fizesse sentido. Nós nos divertimos muito filmando, vivendo e trabalhando em Nova York.

A série glamourizou Manhattan depois da geração de “Sex and the City”.
Josh [Schwartz] e Stephanie [Savage] se recusaram a fazer a série em Toronto. Eles disseram: “Não, a cidade de Nova York é a estrela do show.” E então eles lutaram para que fosse feito em Nova York. Se nós fôssemos em Toronto, eu não sei se teríamos continuado isso após nosso primeiro episódio.

Eu não consigo imaginar a série sendo ambientada em uma falsa Nova York.
Estávamos sempre nos lugares mais frescos. Foi quase como um guia da cidade, como uma série divertida para assistir. Fomos uma das primeiras pessoas a estar no Sleep No More.

Voltaria para a TV?
Para mim, é sobre um bom conteúdo. As minhas novas coisas favoritas que assisti este ano foram as séries sobre filmes, entre “The OA” e “Stranger Things.” Eu finalmente assisti a todos os episódios de “Game of Thrones” e “Westworld.” Eu amo ser um membro de longa audiência – formar histórias. Eu só gostaria de estar em uma série que eu gostaria de assistir.

 

 

Fonte | Tradução e adaptação – Blake Lively Brasil