Blake Lively Brasil

Blake Lively conversou com a revista britânica Psychologies onde falou sobre ser uma adolescente tímida, como ela construiu sua confiança através da atuação, e seu novo filme, The Rhythm Section, no qual ela interpreta uma ex-viciada em heroína. Confira a entrevista traduzida abaixo!

Na superfície, Blake Lively tem tudo isso. Casada com o ator canadense Ryan Reynolds e mãe de James, 4 anos, e Inez, de 2, ela gosta do estilo de vida que vem tendo como uma atriz talentosa de sucesso. Mas, crescendo na Califórnia em uma família do entretenimento, Lively era alta, uma adolescente desajeitada cujas inseguranças eram uma constante fonte de angústia para ela. “Eu era muito tímida ao crescer”, Lively admite. “Eu tive problemas com algumas das outras meninas no ensino médio e, por ser alta, me sentia insegura sobre me destacar na multidão quando eu realmente apenas queria desaparecer e ficar sozinha. Fiquei meio retraída e passei muito tempo sozinha, perdida em meus próprios pensamentos…” Mas foi a atuação que construiu sua confiança. “Foi só quando comecei a fazer aulas de teatro que consegui superar minha timidez em situações sociais. Quando eu tinha 15 ou 16 anos, comecei a me tornar mais extrovertida e a ficar mais entusiasmada com as pessoas; Eu passei tanto tempo sendo essa estranha introvertida, mas no fundo, eu estava ansiosa para me divertir e ser expressiva.”

Foi apenas alguns anos depois que Lively entrou em cena com seu papel como a princesa do Upper East Side, Serena van der Woodsen, na série de TV Gossip Girl. Hoje, ela está curtindo a vida com Reynolds a fama de Deadpool. Enquanto ele revigorou sua carreira com a franquia do “anti-super-herói” de bilhões de dólares, ela manteve uma carga de trabalho estável enquanto criava suas filhas. Alguns de seus filmes recentes incluem Um Pequeno Favor, lançado ano passado, um thriller de mistério co-estrelado por Anna Kendrick; Águas Rasas, no qual ela interpreta uma surfista desesperada tentando sobreviver a um ataque de tubarão; e o drama A Incrível História de Adaline.
O novo filme de Lively, no entanto, o thriller de ação The Rhythm Section, marca uma mudança de ritmo para a atriz, que interpreta uma ex-viciada em heroína, Stephanie Patrick, que transforma sua vida perseguindo as pessoas que orquestraram o acidente que matou sua família. Filmado principalmente em Dublin e Madri, o aguardado filme, dirigido por Reed Morano (The Handmaid’s Tale), é co-estrelado por Jude Law. “Eu andei com policiais em confusões de drogas e passei muito tempo andando por becos conversando com viciados, alguns dos quais eram apenas adolescentes”, explica Lively sobre sua preparação para o papel. “Foi a coisa mais difícil que eu já tive que fazer.”

Nos últimos quatro anos, Lively e Reynolds escolheram morar longe de Hollywood, na pacata cidade de Bedford, no norte do Estado de Nova York, com suas filhas [James é o nome do falecido pai de Reynolds]. Eles também esperam expandir sua família nos próximos anos: “Eu sou uma dos cinco filhos; Ryan é um dos quatro – então somos oficialmente criadores!”
Enquanto isso, o casal optou por seguir suas carreiras de atores com tanta paixão como sempre, cambaleando seus horários de trabalho e acompanhando uns aos outros nos sets com as crianças a tiracolo. “Decidimos que não seríamos separados como uma família, por isso apenas fazemos uma casa para nossas filhas em qualquer lugar em que estivermos filmando”, disse ela.
Lively revelou recentemente que, muito antes de se envolverem romanticamente, ela sentiu que havia algo especial em seu relacionamento com Reynolds. “Eu sabia que ele seria meu melhor amigo durante toda a minha vida. Essa foi a maior coisa para mim. Eu nunca conheci nada como a amizade que tive com ele. Eu gostava dele tanto quanto vim a amá-lo.”

Inicio > Scans de revistas | Magazine Scans > 2019 > Psychologies ( Reino Unido) – Abril

 

A Entrevista

Você parece ter uma personalidade bastante positiva. Essa é a sua natureza?
Isso veio da minha mãe. Ela sempre dizia a mim e a minha irmã: “Onde há uma vontade, há um jeito”. Isso serve como meu mantra pessoal quando as coisas se complicam na vida e você quer sentir pena de si mesma. Eu tento não me deixar chegar lá porque isso não faz bem a você, e é nessa hora que você precisa se energizar ainda mais, em vez de ficar lamentando. Eu geralmente estou de bom humor e gosto de pensar que trago um clima positivo para as pessoas ao meu redor.

Mesmo que você tenha confessado ter sido tímida e desajeitada quando jovem, você teve uma perspectiva otimista sobre as coisas, mesmo naquela época?
Mesmo sendo uma menina, eu pensava: “É um bom dia para ser feliz!”, esse tipo de sentimento e pensamento permaneceu comigo a vida inteira e espero nunca perdê-lo. Se você tem autoconfiança e um forte senso de determinação, então as coisas boas vão acontecer com você. Você pode fazer sua própria sorte, mesmo quando a vida lançar obstáculos no caminho.

Você se sente mais confiante com a idade, o sucesso e a vida que você fez como esposa e mãe?
Confiança é uma coisa estranha às vezes. Tive a sorte de ter crescido em um lar seguro com uma família que era muito solidária e amorosa. Então, como um adulto jovem, quando você está vivendo sozinho e fazendo o seu caminho na vida, você pode perder essa confiança, especialmente neste negócio onde a mídia muitas vezes tenta derrubá-lo e algumas pessoas sentem prazer em criticar seu trabalho. Então, isso faz você se questionar; várias dúvidas começaram a rastejar na minha cabeça, mesmo que eu estivesse em uma série de TV de sucesso. Eu passei por tantas pesquisas de almas e levei vários anos para recuperar minha confiança. Mas eu também acho que muito disso tem a ver com lutar para descobrir quem você é, especialmente aos 20 anos.

Você superou sua tendência à timidez em ocasiões sociais?
Estou muito menos inibida e mais aberta com as pessoas do que quando era mais jovem. Atuação fez isso por mim… Mas ainda demoro para fazer amigos. Não sou o tipo de pessoa que conhece alguém e, depois de alguns minutos, quero trocar números de telefone. Leva algum tempo para me sentir confortável com alguém.

Como você se sente em se apresentar em filmes com enredos obscuros – o violento Selvagens [dirigido por Oliver Stone] e sua personagem conturbada em The Rhythm Section?
Eu consigo me projetar em todos esses espaços escuros e entrar em muitos estados psicológicos pesados. Isso é o que eu amo em atuar. Isso me ajuda a me entender melhor e não apenas a ficar no meu mundinho confortável. Eu sou uma pessoa muito feliz, mas é muito mais interessante interpretar mulheres atormentadas que têm que lutar na vida. Eu sinto que toda vez que eu termino um filme eu me torno uma pessoa mais forte e que se esforçar ao máximo deixa você se sentindo muito mais confiante e menos medroso.

Além do trabalho, você continuou a se entregar à paixão por cozinhar ao longo dos anos… [Lively trabalhou como chefe de confeitaria no célebre restaurante Per Se em Nova York em seu aniversário de 23 anos e Reynolds faz referência às proezas de sua esposa na cozinha.]
Eu gosto de dizer às pessoas que sou realmente uma cozinheira por natureza e uma atriz por acidente! Eu sinto que tenho um dom natural para cozinhar. Eu posso ficar incrivelmente apaixonada por criar pratos interessantes e aprender como preparar comida e criar diferentes sabores e gostos. Eu amo cozinhar para os meus amigos e posso passar horas na minha cozinha
experimentando várias ideias e aprendendo a inventar refeições com atenção aos detalhes e bom gosto.

Você está curtindo a vida de casada?
Tem sido maravilhoso. Ryan e eu gostamos de fazer tudo juntos. Ele adora me ajudar a escolher as coisas para a casa, ele está interessado em todos os tipos de culinária, e ele diz que ama tudo o que eu cozinho para ele – ele é um mentiroso tão bom! Ajudamos uns aos outros quando estamos preparando nossos personagens para um novo filme também. É ótimo ser parceiro assim com alguém que você ama.

Durante a divulgação de Um Pequeno Favor no Reino Unido, Blake e sua co-estrela Anna Kendrick pararam no BuzzFeed UK e jogaram um jogo divertido – entrevistar uma a outra! Confira abaixo!

Inicio > Ensaios Fotográficos | Photoshoots > 2018 > BuzzFeed – Laura Gallant

 

As estrelas de Um Pequeno Favor nos contaram tudo sobre suas primeiras impressões uma da outra e seus piores dias no set.

Parece que Anna Kendrick e Blake Lively deveriam estar em um filme juntas anos atrás. Elas têm uma ótima química; ambas são hilárias, e elas são amigas na vida real desde que Anna trabalhou com o marido de Blake, Ryan Reynolds, no filme As Vozes em 2014. Agora elas estão finalmente se unindo profissionalmente para Um Pequeno Favor, o novo thriller de humor negro do diretor de Missão Madrinha de Casamento, Paul Feig. Depois que sua melhor amiga, Emily (Blake) desaparece, a mãe que fica em casa, Stephanie (Anna), faz questão de descobrir exatamente o que aconteceu. Mas acontece que há muito mais na história de Emily do que Stephanie sabia.

Nós do BuzzFeed amamos Blake e Anna, então quando nos foi dada a oportunidade de conversar com elas sobre Um Pequeno Favor em Londres esta semana, nós aproveitamos a chance. Elas nos contaram tudo sobre suas primeiras impressões uma da outra, seus piores dias no set, e muito, muito mais…

Anna Kendrick: Oh Deus, estou nervosa. Estou realmente nervosa! OK… Qual foi a primeira coisa que você pensou quando me conheceu?
Blake Lively: Bem, a primeira vez que te conheci, nós tínhamos 18 ou 19 anos, e eu lembro de estar nervosa. Nós nos conhecemos através de amigos, e foi logo após a estréia da Rocket Science, e você era tão boa e eu era como, oh, você é tão engraçada e encantadora. Eu estava tipo, uau, essa garota é muito legal.
AK: Ah, ela é legal.
BL: Eu estava nervosa!
AK: Isso é tão estranho!
BL: Mas quando alguém é tão esperto, engraçado e inteligente, e você pode dizer que isso vem da mente deles e não do script…
AK: Sim. O SNL foi a pior semana da minha vida. Eu estava tipo, “estou com tanto medo de todos vocês”

BL: Qual foi a melhor coisa em trabalhar comigo?
BL: Por onde você começa? [risos]
AK: Foi ótimo ter esse tipo de vibe de parceira no crime com você. Às vezes você trabalha com alguém, e eles são ótimos – eles são genuinamente ótimos – e eles têm um estilo de trabalho muito diferente, digamos. Você sabe, eles são o tipo de pessoa que você não pode encontrar entre eles e falar tipo, “Deixe-me dizer o que aconteceu”. Então foi ótimo.
BL: Ah, isso é legal.

AK: Qual foi sua reação quando você descobriu que estaríamos trabalhando juntas?
BL: Qual foi a minha reação? Oh meu Deus.
AK: Cara, você estava tão intimidada pela minha fisicalidade?
BL: Eu estava empolgada em trabalhar com você… Quero dizer, você sabe, um pouco desapontada porque eu disse que a Judi Dench seria mãe vlogger.
AK: Isso teria sido ótimo. Fizemos algumas coisas como Cate Blanchett ou Dame Judi Dench, e eu gostaria de ver esse filme! Eu adoraria esse filme!
BL: Não, mas, na verdade, eu fiquei especialmente empolgada porque este roteiro e este livro são um thriller muito direto, e eu sabia que Paul realmente queria torná-lo mais cômico, divertido e engraçado, mas isso não necessariamente fazia sentido para o roteiro. Então, assim que ele contratou você, eu estava tipo, oh, nós somos boas. Toda a comédia e a leviandade e a sagacidade ardente surgirão.
AK: Isso é como o Compliment Fest 5000.
BL: Eu sei, nossos egos serão tão grandes quando sairmos daqui.

BL: Qual foi o papel mais desafiador que você já fez?
BL: Isso não tem nada a ver comigo! Próxima pergunta!
AK: Honestamente, isso [Um Pequeno Favor] foi muito difícil! O tom do filme – nós falamos sobre isso basicamente todos os dias – como, qual é o tom do filme? Nós estávamos brincando com todas essas coisas diferentes. Definitivamente havia momentos em que eu pensava “Paul, você definitivamente quer que o público goste da protagonista do filme, certo? Nós não estamos fazendo uma coisa estranha em que a audiência deveria ser como “Deus, a liderança do filme é horrível!”
Eu sou tão controladora e todas essas coisas que as mulheres não deveriam ser. Honestamente, foi realmente desafiador tentar fazê-la humana – fazer esse filme através das rachaduras da fachada incrivelmente irritante que ela coloca. Então essa foi a resposta que não teve nada a ver com você. E você também é muito bonita.

AK: Qual foi a cena mais difícil de filmar em Um Pequeno Favor?
BL: Ah, cara. Acho que a cena mais difícil de filmar foi provavelmente a cena no final do filme, onde montamos todas essas reviravoltas e depois a grande revelação. Essa foi outra cena de 11 páginas e foi você, eu e Henry [Golding]. Isso foi complicado porque nós, no dia, tivemos que fazer as reviravoltas da trama fazer sentido. E elas não faziam totalmente sentido, como revelamos. Nós sentamos lá com Paul, e Paul ficou tipo: “Espere, você está certo”. E então você veio com a melhor solução de todas.
AK: Obrigada, minha querida. Eu me lembro de ter terminado aquele dia e estar mentalmente exausta de tentar ter certeza de que tudo fazia sentido. Porque uma vez descobrimos que havia uma coisa que tínhamos que mudar, eu estava questionando cada linha. Eu estava dizendo uma frase e, em seguida: “Isso faz algum sentido?”
BL: Meu outro dia mais desafiador – eu ainda estou com cicatrizes por isso – foi quando eu trabalhei até tarde na noite anterior, e então eles me disseram para voltar uma hora e meia mais tarde na manhã seguinte, mas não fizeram você voltar mais tarde. Eu fui para set e eu estava fazendo cabelo e maquiagem, e eu fiquei tipo “Oh, tão estranho, é a Anna – cadê ela?” E eles ficaram tipo “Oh, ela está pronta há uma hora. Nós não pressionamos a chamada dela dela.”
AK: Esse foi o dia em que decidi que te odeio.
BL: Foi tão mortificante. Você está trabalhando em todas as cenas deste filme, e eu chego por algumas semanas como: “Apenas espere por mim por uma hora e meia enquanto eu faço meu cabelo trançado!” Eu literalmente queria morrer e eu sugava tanto nessa cena porque nunca me recuperei.
AK: Nós estávamos falando merda sobre você.
BL: Eu nunca me recuperei disso!
AK: Não, claro! Eu tive um dia, se isso te faz sentir melhor – neste filme, na verdade – eu tive um dia em que o meu alarme não disparou e alguém estava batendo na porta do meu apartamento. Eu acordei e ouvi alguém batendo, e imediatamente eu estava tipo, “Não, não, não, não!” Você corre para a porta e você ainda tem creme para espinhas e você fica tipo, “Eu estarei pronta em dois segundos, eu sinto muito!” E o dia todo você está se desculpando com todo mundo. Então estamos no mesmo barco, irmã.

BL: Que cena de Um Pequeno Favor foi a mais divertida para você filmar?
AK: Eu realmente acho a primeira cena – não a cena em que nos encontramos, mas a cena em que vamos para sua casa. Eu estava me divertindo muito naquele dia, porque estávamos nervosas com a sensação de um relacionamento realmente duvidoso. Nós encontramos uma maneira de flertar uma com a outra que foi muito divertido, mesmo que as coisas que estamos dizendo não tenham necessariamente esse elemento. Esse foi um dia muito divertido.

AK: Qual foi o elemento mais emocionante de interpretar seu personagem em Um Pequeno Favor?
BL: Eu acho que só de pensar em coisas que deixariam minha mãe muito desconfortável. Eu pensei, eu poderia apenas dizer o que eu quiser, porque isso não sou eu. Então eu estava pensando: O que fará minha mãe querer sair do cinema?
AK: Isso é uma grande motivação. Você ouviu isso, mamãe?

BL: Nós duas tocamos diversos personagens ao longo de nossas carreiras. Que tipo de papel você mais gostaria de interpretar a seguir?
BL: Você vê como eu fiz isso sobre mim no início desta pergunta? [risos]
AK: Eu realmente gostaria de interpretar um vilão. Eu sei que você disse que se divertiu muito interpretando um vilão. Eu fiz personagens imperfeitas e personagens que fazem coisas que não são necessariamente muito bem-intencionadas às vezes, mas eu nunca fiz uma verdadeira vilã. Então isso seria divertido. Super ou não.

AK: Com o que você mais ficou apreensiva quando se tratava de interpretar sua personagem em Um Pequeno Favor?
BL: Eu acho, você sabe, eu estive em um programa de TV por seis anos, onde eu interpretei uma garota do Upper East Side que usava muitas roupas bonitas, então essa era uma fashionista que trabalha no Upper East Side. Eu queria que fosse um visual e uma vibe muito diferente, então essa é uma das razões pelas quais eu acabei vestindo ternos masculinos.
AK: Eu também lembro do dia em que você me disse que tinha acabado de comprar aquele cinto Gucci – isso foi há um ano, então ela estava à frente da moda.
BL: Ah, sim, joguei isso no lixo imediatamente depois. [risos]
AK: E Ryan [Reynolds] ficou tipo: “Por que você está usando um cinto da Gossip Girl?”
BL: Ah sim, eu esqueci disso! Por causa dos dois GGs. É são a mesma fonte. É tão embaraçoso. Eu estava andando, falando, “olhe para mim” como um anúncio.
AK: Sim, eu fiquei, isso é brilhante. Porque essa foi a sua reação inicial – você conseguiu um cinto da Gossip Girl com monograma. Isso foi incrível.

BL: Se você pudesse incorporar algum traço de personalidade da sua personagem em sua vida real, qual seria?
AK: Nenhuma? Quero dizer… [pensa por um longo tempo] Você sabe, ela pode fazer um rap no carro. Eu vou dar isso a ela.
BL: Sim, mas você também pode. Então, o que você incorporaria dela?
AK: Ooh! Eu acho que seria uma cozinheira melhor. Ela deveria ser uma cozinheira e eu adoraria saber como fazer isso. Mas sem trabalhar nisso. Sem, como, ter que aprender e se esforçar. Isso seria bom.

AK: Se você pudesse usar qualquer frase do filme como um lema pessoal, qual seria?
AK: Vá direto para eles ou eles vão te foder na cara?
BL: Sim! Os poderosos. “Você tem que ser direta com eles, ou eles vão te foder na cara.”
AK: O que é verdade.
BL: Ou, “Se sua cabeça vai acabar em uma lata de lixo, sua cabeça vai acabar em uma lata de lixo.”
AK: Ah, eu gostei desse.
BL: Você realmente disse que naquele momento, “E se a sua cabeça acabar em uma lata de lixo?” Era você que explicava tudo, porque isso não estava lá. Foi ótimo! Era como, “Oh, eu não saio com pessoas da cidade, estou com medo.” Mas você levou isso para o próximo nível dizendo “Mas e se minha cabeça acabar em uma lata de lixo?” Que é tão perturbador.
AK: Oooh, isso diz algo sobre meu cérebro.

BL: Há muitos momentos de comédia no filme. Alguma coisa foi improvisada? Se sim, qual foi sua cena favorita improvisar?
AK: Sim, alguns – não todos como em Missão Madrinha de Casamento. Eu sinto que o primeiro dia em que fizemos todas essas improvisações foi quando Paul continuou fazendo com que eu inventasse martínis grosseiros, e essa foi a minha grande vitória do dia. Então eu acabei procurando todos essas vodkas com sabor para ver se eles realmente eram martinis.
BL: Sim, e eles estavam no cardápio do TGI Friday’s.
AK: Eu estava tipo, em um certo ponto, não é mais um martini. É preocupante saber quantos sabores de vodka existem no mundo. Quando você está com torta de limão, você foi longe demais.

setembro 19, 2018  Priscila No comments Entrevistas, Programa de TV, Vídeos

Enquanto promovia Um Pequeno Favor no Reino Unido nesta segunda-feira (17), Blake Lively e sua co-estrela Anna Kendrick participaram do programa Lorraine, comandado por Lorraine Kelly, onde além de falarem sobre o filme, Blake também contou como sua filha de três anos, James, conseguiu uma participação em uma das músicas da cantora Taylor Swift. Assista a entrevista abaixo!

 

 

Inicio > TV e Rádio | TV & Radio > 2018 > 17/09 | Lorraine

setembro 18, 2018  Priscila No comments Entrevistas, Fotos, Vídeos

Ao promover Um Pequeno Favor nas últimas semanas, Blake parou na Coveteur para uma sessão de fotos e um jogo divertido, no qual ela teve que responder algumas perguntas aleatórias em 60 segundos! Confira as fotos em nossa galeria e o vídeo vocês podem assistir abaixo!

 

Inicio > Ensaios Fotográficos | Photoshoots > 2018 > Coveteur – Jake Rosenberg

 

Seu hambúrguer favorito e o talento secreto tão secreto que nem ela conhecia.

Por: Meagan Wilson, Noah Lehava
Fotografia: Jake Rosenberg
Direção: Jake Rosenberg
Produção: Lauren Gonzalez, Monique Kamargo
Assistente de câmera, edição: Tim Buol

Encharcada de diamantes de Lorraine Schwartz – empilhados em cada dedo, no lóbulo da orelha, e brincos extras presos nas lapelas como broches – e usando um terninho Bottega Veneta pontudo que faz truques no cérebro como uma pintura de Olho Mágico. É um look que só Blake Lively pode fazer. Mas você está surpreso? Em seu papel mais recente, como Emily no thriller de comédia cheio de reviravoltas Um Pequeno Favor, ela compartilha o mesmo tato inimitável de alfaiataria. Como não podemos falar muito sobre o filme (você precisa vê-lo por si mesmo), nós a enchemos com uma série de perguntas aleatórias, como sua favorita decadente cobertura de hambúrguer. Você não queria saber disso? Aperte play para aprender muito mais sobre Blake Lively.

 

setembro 15, 2018  Priscila No comments Entrevistas, Fotos, Vídeos

Ao promover seu novo filme Um Pequeno Favor, Blake Lively falou em uma nova entrevista ao USA TODAY, sobre sua paixão em fazer coquetéis que ela nunca bebe. Confira abaixo!

Inicio > Ensaios Fotográficos | Photoshoots > 2018 > USA Today – Dustin Cohen

NEW YORK – Blake Lively pode fazer um martíni médio.

É uma habilidade que a atriz aperfeiçoou enquanto filmava Um Pequeno Favor (nos cinemas sexta-feira), em que ela interpreta Emily, uma dona de casa de fala rude que toma uma bebida dura (ou três) mais cedo do que ela vai concordar com a vida suburbana monótona.

Mas, apesar de sua experiência e conexão familiar com o negócio de bebidas alcoólicas (o marido Ryan Reynolds é dono do Gin Aviation), Lively na verdade não gosta do sabor do álcool.

“Eu sou o mixologista da minha família, mas não bebo, o que é a piada”, diz Lively com um sorriso. “As pessoas vêm e eu começo a puxar o shaker e o muddler, e eles ficam tipo ‘Por que ela está me fazendo uma bebida? Isso vai ser terrível.’ E eu digo: ‘Apenas confie em mim’.”

Você não seria sábio em acreditar em seu último personagem, no entanto. Pouco depois de criar uma amizade difícil com sua colega Stephanie (Anna Kendrick), Emily pede a ela “um simples favor” de pegar seu filho na escola uma tarde. Mas depois de dias sem visão ou palavra de Emily, Stephanie e o marido de Emily (Henry Golding) começam a temer pela mulher que eles sabem que desapareceu – ou pior – que desencadeia uma cadeia de eventos distorcidos.

Lively, de 31 anos, que surpreendeu os críticos e as bilheterias com o drama de tubarão Águas Rasas em 2016, sabia que queria fazer Um Pequeno Favor antes mesmo de ler o roteiro, principalmente porque o diretor Paul Feig estava ligado ao projeto.

Quando ela finalmente leu: “De repente, fiquei muito confusa, porque o roteiro era um thriller e, no entanto, Paul Feig estava fazendo o filme”, diz Lively. “Eu me sentei com ele e perguntei se era um thriller ou uma comédia, e ele disse: ‘Sim’.”

Desde o início, Lively se inclinou para o tom e estilo da história, optando por vestir Emily em ternos chiques de três peças, decorados com quadrados de bolso coloridos e bengalas (inspirados no guarda-roupa moderno de Feig).

“Eu pensei: ‘Essa personagem viveu tantas vidas diferentes, que para fazer isso e não ser reconhecida, ela deve abandonar o barco e ter uma identidade completamente distinta em cada vida’“, disse Lively.

Adiciona Feig: “Eu sempre (encorajo) minhas atrizes a criar seu próprio visual, e foi ela quem decidiu que queria que a personagem se vestisse como eu, com ternos e gravatas e tudo mais. Ela também tinha muita coisa boa, ideias de como fazer Emily compreensível e simpática, mesmo que ela fosse uma personagem muito desonesta.”

Antes que ela desapareça e seu passado sombrio seja revelado, Emily admira, relutante, a maternidade de Stephanie: cozinhando para seu filho todos os dias e voluntariamente ajudando em sua escola, ganhando reviravoltas de outras mães e pais. Lively poderia se relacionar às vezes sentindo inadequado, como mãe de filhas para James, 3, e Inez, de quase 2.

“Todo bom pai que eu conheço é duro consigo mesmo, o que é lindo, porque significa que você se importa”, diz Lively. “Eu vivo para a minha família, então onde eu posso ter inseguranças sobre outras coisas na minha vida, eu sei que estou dando o melhor de mim para minha família. Isso não quer dizer que eu não tenha muitos erros, mas eu sou confiante de que todos saibam como são amados. Durmo mais à noite sabendo que estou, pelo menos, dando tudo de mim.”

A ninhada de Lively-Reynolds se une mesmo quando estão trabalhando, o que significa que apenas um dos dois atores está filmando um projeto naquele momento. (Blake filmou o filme de espionagem The Rhythm Section em Madri neste verão). Enquanto a estrela de Gossip Girl gostava de voar sozinha aos 20 anos – viajando para lugares como França e África do Sul para estudar e explorar – ter uma família fez o conceito de tempo sozinha nulo.

“Elas são sempre muito mais divertidas e interessantes de estar por perto do que estar sozinha”, diz Lively. “Então, quando eu não tenho tempo para fazer nada, tudo que eu quero fazer é beber elas.”

 

 

Fonte | Tradução e adaptação – Blake Lively Brasil



Página 1 de 512345